Inscreva-se para Circuito Rio Antigo
* = campo obrigatório

powered by MailChimp!
Últimos Tweets

Treinos na areia melhorar a performance, mas cuidado com a carga e a intensidade

Treinos na areia melhorar a performance, mas cuidado com a carga e a intensidade

  • Posted by Circuito Rio Antigo
  • On 13 de agosto de 2015
  • Comments

Muito se fala sobre determinadas estratégias e tipos de treinamento. Se realmente trazem benefícios ao corredor ou se aumentam o risco de lesões. No mundo das corridas não são poucas as polêmicas. A única certeza é de que elas estão sempre por aí, provocando discussões e debates entre corredores, treinadores, fisioterapeutas e médicos. Em cidades como o Rio de Janeiro, em que não faltam opções para um bom treino de corrida, não é de se estranhar que cada vez mais as assessorias esportivas utilizem a praia como parte importante da planilha, na maioria dos casos, unindo o útil ao agradável. Afinal de contas, neste calorão que bate à nossa porta, quem não gosta de começar o dia com uma prainha e, de quebra, cumprir a planilha de treinamento. Ou vice-versa.

A Speed é uma das muitas assessorias que adotam treinamentos na areia para seus atletas. Todos os dias basta uma voltinha na orla carioca, de manhã ou à noite, para ver aquele mar de corredores em treinos de tiro, rodagem ou circuitos funcionais.

“Oferecemos esse tipo de treino há quatro anos, antes mesmo de se tornar febre no Rio de Janeiro. Incluímos o trabalho de areia no período de base do planejamento dos corredores, como estratégia de força muscular e fortalecimento das estruturas articulares, como tornozelo, joelho e quadril. Normalmente iniciamos com a caminhada na areia para fazer uma adaptação ao terreno e vamos evoluindo, como na corrida de rua. Porém, com mais cautela”, explica Rodrigo Isaac, treinador e sócio da Speed.

A facilidade no acesso à praia faz com que os treinos sejam cada vez mais concorridos e o índice de falta dos atletas seja quase zero. Mas faz também com que haja excesso por parte de alguns atletas.

“Normalmente, além de tiros e outras formas de treino, minha planilha tem treinos específicos para areia, que variam de acordo com a prova pretendida. A corrida na areia foi introduzida na minha planilha gradativamente, com o monitoramento de perto dos professores. De início, tinham volume bem baixo e não havia a preocupação com pace. Procuro conjugar, em um mesmo treino, a corrida na areia, na grama e no asfalto, já que esta é a realidade das provas. Por falta de tempo, não é sempre que consigo cumpri-lo, afinal, preciso trabalhar para financiar toda essa ‘farra’, mas a presença na areia é certa” diz a advogada Maria Silvia Resende, com bom humor. 
Bom humor que foi por água abaixo, quando, por excesso de treinos – contrariando sua planilha -, a advogada, há alguns anos, se viu às voltas com um edema na tíbia.

Para o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Alexandre Palma – tem mestrado em Educação Física e doutorado em Saúde Pública – é exatamente o excesso de carga que aumenta o risco de lesões nos chamados exercícios pliométricos, como os realizados nos circuitos na areia.

“Se estes exercícios forem feitos corretamente e em dosagem adequada, não creio que possam aumentar a ocorrência de lesões. O problema, que já pude observar em diversos destes treinos, é que há um exagero na carga e na forma com que alguns professores têm ministrado os treinos em circuito e na aplicação em pessoas não preparadas para realizá-los, como os iniciantes e aqueles com sobrepeso”
, explica Palma, que já trabalhou com outras modalidades em que se aplicam os exercícios pliométricos, como o futsal.

Treinador e pesquisador, Alan Marques lembra que a corrida na areia é 60% mais intensa para a mesma corrida no asfalto. Segundo ele, os treinos são prescritos sempre de forma a respeitar a capacidade e o objetivo de cada atleta. Mas…

“Quanto ao volume de corrida, não existe uma recomendação. É muito pessoal. Temos alunos que chegam a correr 16 km de areia. O cara gosta!“, diz Alan.

Médica do Esporte, com formação em Nutrologia e Mestrado em Fisiologia do Exercício, Flávia Pinho Teixeira lembra que os benefícios dos exercícios na areia são muitos, desde que executados na intensidade e volume adequados. Segundo a médica, estas atividades têm maior componente estático e favorecem o fortalecimento muscular, o ganho de massa magra e até podem inibir algumas lesões.

“Os desníveis do terreno estimulam os proprioceptores articulares, estabilizando as articulações do tornozelo e dos joelhos. Assim estas articulações ficam mais protegidas contra lesões dos tendões. Além disso, a maior dificuldade na realização dos exercícios também gera maior condicionamento cardiovascular”, diz a médica.

Estes mesmos circuitos na areia, que proporcionam melhoria no rendimento – se aplicados na intensidade e volume corretos – e oferecem riscos de lesões em caso de carga exagerada, também são uma ótima ferramenta em alguns programas de fisioterapia pós-lesões ou de relaxamento pós-prova. O fisioterapeuta do Comitê Olímpico Brasileiro, Claudionor Delgado – considerado por muitos, um dos fundadores da fisioterapia esportiva no Brasil -, ressalta, no entanto, a importância da prescrição individualizada dos exercícios.

“Os circuitos de areia são muito bem vindos como parte do treinamento nos mais variados perfis e também podem ser usados como parte da fisioterapia. Entretanto, assim como qualquer modalidade de treinamento, devem ser adaptados para cada indivíduo e também acompanhados pelo treinador ou fisioterapeuta. Este acompanhamento é de importância fundamental para as devidas correções de postura, do gesto esportivo e do tipo de pisada, entre outros“, explica Delgado
, que, entre outros trabalhos, foi fisioterapeuta da Seleção Brasileira nas Copas de 94 e 98.

Delgado explica que a prescrição e o acompanhamento de um treinador são sempre necessários exatamente por que o treinamento na areia pode ser uma atividade dura – visando a uma prova – ou relaxante – pós-prova.

“O volume e a periodicidade do treinamento em areia vão depender do calendário do atleta. O circuito desenhado pelo treinador ou fisioterapeuta tanto pode servir como parte de uma atividade de relaxamento, como pode ser muito duro em uma fase de treinamento especial. Na fisioterapia sempre costumo indicar algum tipo de atividade terapêutica na areia. Essas atividades podem ser especificas para determinada lesão ou também podem ser aplicadas em uma fase pós-lesão, quando serão usadas para readaptação ou retorno ao esporte”, completa Delgado
, lembrando que a maioria das lesões nos circuitos na areia ocorre por falta de supervisão ou falha na dose exata de treino.

Profissional de Marketing Esportivo, Henrique Werneck, de 38 anos, pratica esportes desde a adolescência e a proximidade da praia sempre o fez usar as areias em seu condicionamento. Segundo o atleta, é o treinamento funcional na areia que permite sua evolução no esporte e faz com que os resultados melhorem a cada dia e sem o convívio com as lesões.

“Há dois anos faço o treino funcional na areia. São estes exercícios que reforçam a musculatura, por trabalharem músculos que outras atividades não conseguem. Assim as chances de lesões diminuem. Jamais me lesionei em treinos ou competição”, diz Werneck.

Para o treinador Bruno Germano, os circuitos na areia melhoram a técnica de corrida, algo com que os corredores começaram a se preocupar mais recentemente

“Quando preparamos uma sequência de exercícios, pensamos primeiramente na melhora do gesto técnico de corrida. A ideia é tornar o indivíduo capaz de realizar o gesto com a maior eficiência e o menor gasto energético possível. O objetivo é tornar a corrida mais limpa e coordenada. Essa necessidade é muito incutida na mentalidade dos atletas que fazem natação, por exemplo, mas os corredores, em sua maioria, não viam o treinamento técnico de corrida como uma necessidade ao seu desenvolvimento. O próprio Henrique disse que só procurou treinamento especializado há dois anos”, explica Germano
, lembrando que o treino na areia ativa unidades motoras que normalmente não são usadas nos treinos em terreno regular, como o asfalto.
“A corrida é um esporte cíclico, em que não há variação do gesto esportivo. Quando um atleta executa um gesto ao qual não está acostumado, ele ativa outras vias nervosas e passa a ter um repertório motor maior. Isso dá mais qualidade à sua corrida”, completa o treinador.

E quase sempre a melhora na qualidade resulta em tempos mais baixos. É o caso do empresário Marcos Zamith, que bateu seus recordes pessoais depois que os treinos na areia passaram a fazer parte da planilha. Com 53 anos e apenas oito de corrida, Zamith viu-se obrigado a ficar longe dos treinos por um ano, por conta da ruptura dos dois tendões de Aquiles. O corredor retornou aos treinos gradualmente e, completamente recuperado, no início de 2012, passou a treinar na areia, o que jamais havia feito.

“A melhora foi nítida. O desempenho, o reflexo, a técnica, o condicionamento. Tudo melhorou muito. Nos últimos seis meses baixei todos os meus tempos. Hoje, pelo menos uma vez por semana treino na areia, o que não deixo de fazer nem debaixo de chuva”, conta Zamith.

Alexandre Ribeiro, 48 anos, pentacampeão do Ultraman do Havaí e treinador da Pró-Ribeiro, sempre treinou na praia e hoje não abre mão de oferecer aos atletas os prazeres de um treino a alguns metros do mar da Barra da Tijuca.

“É importante por vários aspectos. É sempre um prazer treinar na praia. Há um estímulo natural para os atletas que estão com dificuldades de manter a rotina de treinos. Mas é sempre bom lembrar que os treinos devem fazer parte da planilha. Fazer só por que o lugar é bonito e agradável não é treino, é lazer”, diz Ribeiro.

O engenheiro Rodrigo Moura, 43 anos, corre desde os 15 e somente depois dos 30 passou a dar qualidade aos treinos, buscando melhora no rendimento. Moura faz coro com Alexandre Ribeiro, embora acredite que os treinos na areia lhe proporcionam mais força e resistência.

“Tem sido assim especialmente nas provas longas. Mas se correr já nos dá uma sensação especial de superação de limites, correr na areia então tem muitas vantagens. Além dos resultados físicos, claramente perceptíveis. De manhã cedo a temperatura está ótima, o visual da praia é lindo e o contato com a areia nos dá uma sensação de liberdade. O esforço é maior, mas a recompensa final vale à pena”, garante o engenheiro.

Modismos e quebras de rotinas à parte cabe aos treinadores saber em que situações, a que corredores ou futuros corredores aplicar os treinamentos na areia e ainda dosar intensidade e volume. Para o professor Alexandre Palma a finalidade destes exercícios deve sempre ser levada em conta.

“Se os treinos envolvendo circuitos, força explosiva e específicos são importantes para aumentar o desempenho, para que submeter pessoas ainda pouco treinadas a esses treinos? Alguns professores optam por fazê-los para “quebrar a rotina”, motivar os alunos. Treinos fortes sempre chamam a atenção. Mas, há, sim, um risco (desnecessário, é preciso dizer) de desencadear lesões. Em relação à periodicidade, é possível realizar os circuitos três vezes por semana, mas dependerá do que se faça nas estações. Por fim, ainda que os circuitos possam ser uma ótima opção, é preciso considerar que o trabalho de força tradicional pode proporcionar uma base para os primeiros, além de contribuir para dificultar os riscos de lesões”, completa Palma.

Aspas de destaque

 

“Os desníveis do terreno estimulam os proprioceptores articulares, estabilizando as articulações do tornozelo e dos joelhos. Assim estas articulações ficam mais protegidas contra lesões dos tendões. Além disso, a maior dificuldade na realização dos exercícios também gera maior condicionamento cardiovascular” , Dra. Flavia Pinho Teixeira, Médica do Esporte

 

“Se os treinos envolvendo circuitos, força explosiva e específicos são importantes para aumentar o desempenho, para que submeter pessoas ainda pouco treinadas a esses treinos? Alguns professores optam por fazê-los para “quebrar a rotina”, motivar os alunos. Treinos fortes sempre chamam a atenção. Mas, há, sim, um risco de desencadear lesões”, Alexandre Palma, Professor-doutor da UFRJ

 

“Os circuitos de areia são muito bem vindos como parte do treinamento nos mais variados perfis e também podem ser usados como parte da fisioterapia. Entretanto, assim como qualquer modalidade de treinamento, devem ser adaptados para cada indivíduo e também acompanhados pelo treinador ou fisioterapeuta”, Claudionor Delgado, fisioterapeuta

 

“A melhora foi nítida. O desempenho, o reflexo, a técnica, o condicionamento. Tudo melhorou muito. Nos últimos seis meses baixei todos os meus tempos. Hoje, pelo menos uma vez por semana treino na areia, o que não deixo de fazer nem debaixo de chuva”, Marcos Zamith, empresário e corredor

0 Comments

Leave Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *