Inscreva-se para Circuito Rio Antigo
* = campo obrigatório

powered by MailChimp!
Últimos Tweets

O Circuito

Correndo por ruas de história!

História

Lançado no final de 2010, o Circuito Rio Antigo já é um evento consolidado no calendário das corridas de rua da cidade do Rio de Janeiro. Com uma proposta diferenciada, une esporte e cultura, contados através das edificações presentes em ruas e avenidas do centro carioca. As provas de corrida e caminhada ganham uma essência surpreendente quando os participantes podem (re)descobrir esse local de infinitas possibilidades de lazer e história.

Berço histórico e cultural brasileiro, o Centro do Rio tem uma rotina frenética de segunda à sexta-feira, muito diferente dos finais de semana. E foi a partir dessa constatação que o evento foi desenvolvido, em parceria com a Subprefeitura do Centro. Vale ressaltar que as provas são, também, uma alternativa para fugir da obviedade dos parques, cenário de muitos eventos dessa modalidade.

Sempre lotado de segunda a sexta, o Centro do Rio sofre com o abandono nos fins de semana, quando as ruas ficam vazias. Atualmente, projetos como o fechamento de ruas da Lapa nos finais de semana e feiras culturais preenchem em parte os objetivos de revitalização da área, com isso, a ideia de percorrer pontos importantes de nossa cidade praticando esporte está totalmente alinhada com as iniciativas da administração municipal

Eu sou o primeiro a apoiar essa iniciativa. Todo mundo sabe como tenho um carinho especial por aquela região e quanto mais ela for badalada e usada em suas diferentes capacidades, melhor para a cidade. O Centro seria um lugar perfeito para uma corrida porque aos domingos é deserto, já pouquíssimo fluxo de veículos, ou seja, não vai atrapalhar ninguém. Ao mesmo tempo, vai revelar lugares fantásticos de nossa cidade aos atletas de outras partes do país e mesmo para os cariocas que não estão acostumados a percorrer esses cantos do Rio.

Eduardo Paes,
Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro

Inscreva-se para etapa Lapa!

Inscreva-se já!

Centro do Rio

Fundada em 1º de março de 1565, aos pés do Pão de Açúcar, a cidade do Rio de Janeiro vinha sendo alvo da tentativa de colonização francesa. Dois anos depois, após a vitória portuguesa, o núcleo de povoamento foi transferido para o interior da Baía de Guanabara. A partir de então, foram erguidos os primeiros prédios públicos, as igrejas e as fortificações nos Morros do Castelo, São Bento, Santo Antônio e Conceição, cabendo aos primeiros colonos iniciar o desenvolvimento da cidade.

O início do século XVIII é marcado pelas primeiras construções de infraestrutura da cidade, como por exemplo o Aqueduto da Carioca, mais conhecido como os Arcos da Lapa. Como principal porta de saída do ouro descoberto nas Minas Gerais, o Rio de Janeiro cresce e ganha importância aos olhos da metrópole e, em 1763, torna-se a capital. É dessa época a construção do Passeio Público, do Porto da Gamboa, do Mercado do Valongo e do Chafariz de Mestre Valentim.

Em 1808, a chegada da corte portuguesa ao Brasil transforma para sempre a história do Rio de Janeiro – abertura dos Portos, Real Fábrica de Pólvora, Real Horto Botânico e Imprensa Régia foram algumas ações implantadas pela Família Real.

Já o século XX trouxe a grande transformação que romperia de vez com um Rio de Janeiro arcaico e colonial, tornando-o uma metrópole moderna, digna de uma capital federal, um exemplar de desenvolvimento, a “Paris dos Trópicos”. A população carioca era de 500 mil habitantes na época e essas pessoas tiveram as vidas totalmente transformadas a partir de 1902, com a reforma urbana do Prefeito Pereira Passos, também conhecida como “Bota Abaixo”. A iniciativa transformou a cara do centro da cidade com aterramentos, abertura de vias largas e modernas, os grandes bulevares, como a Avenida Central (hoje Rio Branco), construindo enormes palacetes, mas gerando, também, o deslocamento de moradores locais para bairros distantes, o desaparecimento de antigas vias estreitas, de vários cortiços e Igrejas na área portuária. Nas décadas seguintes, as reformas recebem continuidade e ocorrem os desmanches do Morro do Castelo e de Santo Antônio. As terras foram utilizadas para vários aterramentos, sendo os mais marcantes o do Aeroporto Santos Dumont e o do Aterro do Flamengo.

A última grande reforma realizada na região foi a abertura da Avenida Presidente Vargas, que destruiu quarteirões inteiros, quatro igrejas seculares, desapareceu com ruas e separou a antiga Rua Larga do tradicional centro comercial do Saara. Parte da Praça da República foi destruída e a Praça Onze eliminada. Arranha-céus substituíram a antiga arquitetura local, a nossa cultura não receberia mais a influência francesa e sim a norte-americana. A antiga estação ferroviária Dom Pedro II foi substituída pela Central do Brasil, que com o monumental relógio de quatro faces é o exemplo marcante da transformação.

Raul Melo Neto/Priscila Monteiro
Rios de História